terça-feira, 22 de julho de 2008

Sócrates, podes seguir em frente!


Apesar de Portugal se estar submetido à disciplina da zona Euro, o FMI voltou a pronunciar-se recentemente sobre a economia portuguesa. No seu entendimento:

  • Estão a ser tomadas medidas decisivas, centradas no sector público, para corrigir os desequilíbrios acumulados durante os anos 90, e os resultados estão a ser visíveis. As condições mundiais mais frágeis tornam mais difícil e urgente fazer face aos desafios económicos de Portugal. As políticas deverão tirar partido dos progressos recentes e evitar pôr em causa os objectivos de longo prazo para obter ganhos a curto prazo. Isto significa que se deverá prosseguir a consolidação e as reformas orçamentais, mantendo a solidez do sistema financeiro e prosseguindo a implementação de reformas do lado da oferta, para tornar a economia mais produtiva e flexível e reactivar o processo de convergência.
    Relatório do FMI   Backup




Apesar de o país se estar a afastar dos padrões europeus, como “em média” continua viver acima das suas possibilidades, a receita é continuar a apertar o cinto daqueles que a quem é possível apertar mais. A crise não é sentida por todos, porque por exemplo, as vendas de automóveis, certamente de alta cilindrada, até estão a aumentar. Sobre a crescente inequidade na repartição do rendimento o relatório não diz uma palavra. Chama a atenção para a necessidade de evitar que os custos do trabalho degradem a competitividade da economia, e elogia “a solidez do sistema financeiro e bem supervisionado”(?). As famílias portuguesas estão muito endividadas porque compraram a sua habitação quando mal podiam adquirir uma bicicleta, mas “o Banco de Portugal está ciente destas vulnerabilidades, que não são novas, e tem adoptado uma abordagem pró-activa”, exigindo aos bancos o reforço dos amortecedores de liquidez, para fazer face a potenciais faltas de liquidez...

Pelo caminho que o FMI aconselha, cada passo em frente já sabe onde vamos dar.

Analise-se o percurso que temos feito utilizando os próprios números do FMI. Em 1995 o Produto Interno Bruto per capita português não se afastava tanto do espanhol nem do grego. Em 2006 fomos passados pela Eslovénia. A distância relativamente aos outros países aumenta se perspectivarmos 2013.

Fonte: World Economic Outlook Database, FMI

Belo caminho!




Post
relacionado
Programa de Estabilização Económica, 1978-79, também conhecido como primeiro pacote do FMI. Numa imagem sintetizam-se as políticas então propostas.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...