sábado, 5 de julho de 2008

A lógica do trabalho escolar na interpretação das estatísticas de exames


A explicação unanimemente partilhada pelo ME e pelos professores pode designar-se lei de ouro do trabalho: “só uma alteração de atitudes, métodos de trabalho, etc., garantiriam melhores resultados” (versão resumida das actas dos conselhos de turma no segundo período). Do seu ponto de vista MAIS TRABALHO deverá traduzir-se sempre por uma MAIOR CLASSIFICAÇÃO, e é esta gramática simplista que é utilizada na interpretação dos resultados escolares. Dá jeito utilizá-la, até porque se exclui à partida um trabalho diferenciado, de base mais formativa para corresponder às necessidades reais dos alunos.

A lei de ouro do trabalho é o quadro de referência geral para a interpretação de quaisquer resultados. Se a “lei” falhar inventam-se explicações alternativas.

Independentemente da polémica acerca das próprias provas, como o que conta são os resultados, não os meios, o Ministério da Educação enaltece a "melhoria" nos resultados da Matemática, "que se verifica pelo terceiro ano consecutivo", para elogiar o trabalho realizado, como se adivinhava. Lá está o Plano de Acção para a Matemática! Que o PMA apenas tenha contemplado alunos dos 7º, 8º e 9º anos, e os resultados em discussão se refiram ao 12º ano é um pormenor sem importância ;) que interessa omitir para não estragar a lógica da "lei de ouro" ;)

A aplicação desta lógica ao Português, cuja média desceu, resultou na extensão ao Ensino Secundário das dinâmicas do Plano Nacional de Leitura", porque médias a descer significam menos trabalho! Precisam de novos “contratos de leitura”!!

Pelos vistos os alunos do 12º ano “trabalharam” a Matemática, mas “não trabalharam” a Português, o que não tem muito sentido quando são os mesmos. E aqui o ME inventou uma justificação trapalhona: o exame de Português "é o que abrange o maior número de alunos, sendo realizado pela quase totalidade dos que terminam o ensino secundário em cursos científico-humanísticos", como se isto fosse alguma novidade. Foi exactamente com esse conjunto alargado de alunos que se calculou a média do ano anterior!

Alguém irá fazer rankings com estes números, que reduzirão as estórias e as polémicas do ano às seriações estatísticas.

Uma questão final. O ME fez batota nos exames?
Recorda-se apenas a publicação da Portaria 1322/2007 de 4 de Outubro, (Backup) em resultado da qual a matéria dos exames de Português e Matemática, em vez de englobar o 10º, 11º e 12º anos, foi reduzida apenas à leccionada no 12º.



Os Planos fazem parte da retórica para mandar estudar, por demais evidente face às "autorizações para esquecer".


Adenda
No parágrafo que transcrevo abaixo a Ministra da Educação referia-se aos resultados do 4º e do 6º ano, em Matemática, mas independentemente do nível de escolaridade, a validade da lei de ouro é irrefutável.

  • Nós acreditamos que com mais trabalho os alunos recuperam. Há milhares de alunos que começam com negativa e recuperam ao longo do ano. As explicações eram a forma como as famílias resolviam as aprendizagens: escola pública de manhã e privada à tarde. No caso específico da matemática, pedimos às escolas que organizassem a recuperação dos alunos no interior da própria escola. E não podemos desvalorizar o que as escolas fizeram nestes últimos dois anos sob o risco de desacreditar o próprio processo de aprendizagem. Eu acredito que trabalhando se aprende. Por isso, é preciso trabalhar mais.
    Maria de Lurdes Rodrigues ao EXPRESSO (Assinantes), em 05/Julho/2008


Também destaco o seguinte:




Adenda

Desde que inventaram a avaliação externa no 12º ano, em 1996/97, a minha escola sempre tem feito estatísticas de exames. Este ano entendeu que não valia a pena. Acho que a fabricação das classificações foi tão evidente que até dispensou a análise estatística.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...