domingo, 16 de setembro de 2012

TSUnami político

Abençoado 15 de Setembro. Finalmente as pessoas descarregaram na rua alguma angústia, acreditaram que poderiam mudar alguma coisa, o governo ficou quase em mero exercício de funções de gestão. As pessoas gastaram mais dinheiro neste fim-de-semana, sorriram mais, ficaram mais felizes.

Dia 7 de Setembro Passos Coelho abusou do estado de graça inventando uma desvalorização fiscal da qual até Abebe Selassie aponta reservas.
Nem o patronato agradeceu a transferência de capital proposta, alegando que o aumento da TSU suportado pelos trabalhadores, reduz o seu poder de compra e o consumo.

Até aqui quando o Governo anunciava austeridade, a população aceitava porque acreditava que a mesma tinha alguma finalidade. A redução dos salários dos funcionários públicos, congelados pela primeira vez em 2001, foi aceite como legítima depois de muita propaganda criando a ideia de que se iriam cortar as “gorduras do Estado”.

Na realidade as “gorduras do Estado” continuam como estavam, ou até se têm multiplicado, constituindo um verdadeiro Estado paralelo que alimenta as clientelas dos partidos, e portando estes não as podem destruir.

Constituem grandes Estados dentro do Estado, as administrações regionais e autarquias locais, onde muito dinheiro é esbanjado, sem que nada tenha mudado.

As parcerias público privadas diz-se que têm os contratos blindados, e portanto não podem mudar, quando os trabalhadores ao tempo que perderam a noção dos “direitos adquiridos”.

Depois de tanto barulho em torno de centenas de fundações, o Governo apenas propõe a extinção de 40, e como 21 dependem das autarquias já se sabe que nada lhes irá acontecer.

As empresas públicas continuam a ser utilizadas para dar emprego à malta do partido. O último exemplo foi a RTP, que recebeu como administrador um amigo do Relvas que tinha experiência no sector das cervejas e negócios em Angola.

Mesmo que anuncie algumas medidas avulsas de tributação sobre os ricos, este Governo perdeu a legitimidade para Governar porque os governantes:

- mentem;

- não dão o exemplo, deixando a austeridade apenas para o povo;

- demonstraram que a austeridade não têm nenhuma finalidade legítima;

- promoveram a maior redistribuição do rendimento a favor do capital sem nenhum desígnio nacional;

- são responsáveis pelo crescimento da economia paralela. Se não fosse esta já corresponder a 1/4 do PIB o défice orçamental seria bem menor.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...