sábado, 6 de junho de 2015

O Papel Comercial do BES/GES. Lesados de luxo vs. lesados pelintras

Uma apresentação mais desenvolvida deste produto encontra-se no site do Novo Banco.

Em 14 de Agosto de 2014, o Novo Banco comprometeu-se a ressarcir os seus clientes de retalho que adquiriram papel comercial:

A CMVM tem referido que os investidores não profissionais não deverão ser vítimas das más práticas do BES/GES:

  • Tendo em conta o referido nos pontos anteriores, a CMVM entende - e já o transmitiu nos fora e pelos meios próprios - que deverá haver lugar à adopção pelo Novo Banco de soluções de compensação dos investidores não qualificados vítimas das más práticas de comercialização de papel comercial GES vendido aos balcões do Banco Espírito Santo.
    http://www.cmvm.pt/pt/Comunicados/Comunicados/Pages/20150420.aspx
De acordo com o EXPRESSO:
  • Entre os 2508 clientes de retalho que reclamam o pagamento do dinheiro investido em papel comercial aos balcões do BES, relativo a dívida de empresas do grupo Espírito Santo, há 60, 2,4% do total, que fizeram aplicações superiores a €1 milhão. E há mesmo casos em que o investimento superou os €5 milhões. No conjunto, estes 60 clientes de papel comercial da Espírito Santo International (ESI) e da Rioforte têm aplicados €100 milhões, ie. 18% do total, de cerca dos €550 milhões.
    (...) "há muitos quadros, juízes, directores do próprio Novo Banco que compraram papel comercial".
    http://expresso.sapo.pt/economia/ha-60-lesados-de-luxo-no-papel-comercial=f921605
Será que o Estado deve assumir a dívida também com os investidores de luxo, de forma que as administrações dos bancos nunca sejam penalizadas pela gestão irresponsável, e os depositantes possam meter o dinheiro em qualquer buraco, sempre à custa dos contribuintes?

Numa situação diferente estarão os lesados pelintras. Indivíduos que pouparam durante a vida inteira para chegar aos €50.000, montante mínimo para a subscrição deste produto, e terão ficado sem quaisquer poupanças. Admite-se que estes não conhecessem as características do produto, tendo sido vítimas da sua ignorância. O Estado Social existe para evitar que as pessoas caiam em situações de pobreza extrema, devendo prestar-lhes auxílio, mas nunca ressarcindo a totalidade do capital, para que aprendam a ver onde colocam o dinheiro.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...