segunda-feira, 11 de abril de 2011

Como foi possível chegar à beira da bancarrota?

Ficará Portugal sem dinheiro para pagar aos investidores antes que o novo Governo tome posse?

Esta pergunta do THE WALL STREET JOURNAL revela porque o resgate do FMI se tornou inadiável. O Estado português, para continuar a honrar os seus compromissos, como pessoa de bem, não tem outra opção senão contrair um empréstimo.

Durante muitas décadas consumimos mais do que produzimos. A dívida pública ia aumentando, e rapidamente as agências de rating precipitaram os acontecimentos. Baixaram o rating da dívida soberana e o rating dos bancos portugueses. O Estado deixou de ter clientes interessados nos seus títulos, incluindo os bancos nacionais, sujeitos a testes de "stress" (resistência). Um país que não dispõe de recursos para fazer face às suas responsabilidades a curto prazo precisa de ajuda.

Os credores já disseram que não passam o cheque sem verem a conta, e já estabeleceram um programa económico a exigir ao país como contrapartida do empréstimo. A última linha do documento explicita que a sua preocupação não é Portugal, mas o futuro da zona Euro.

Convinha que tivessem o bom senso de não exigir que os problemas estruturais de décadas fiquem resolvidos até 2013 ou 2014, senão Portugal morrerá da cura, e não ficará em condições de lhes assegurar o retorno crédito...

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...