terça-feira, 9 de março de 2010

O telemóvel é o objecto que mais mudou os nossos hábitos sociais

Aproveito o facto de o colega CJ se ter referido ao telemóvel para contrariar a tese da “injecção de informação”, argumentando que não vivemos em nenhuma sociedade da informação, mas sim na SOCIEDADE DO TELEMÓVEL! Assim, o autor de TECNOGNOSE terá construído “mapas imaginários” contra os excessos de uma imaginária “sociedade da informação”.

A hierarquia de necessidades que o colega terá desenhado foi certamente a Pirâmide de Maslow.

Na base da pirâmide estão as necessidades fisiológicas – onde se inclui o sexo -, a segurança e o amor/relacionamento. É para estas necessidades que o telemóvel serve, como mais abaixo ficará claro.

No nosso caso particular, como professores, todos temos uns colegas que muito dificilmente encontramos precisamente porque não utilizam a Internet. Esses são exactamente os que mais gostam de nos ligar! Os telemóveis até já têm Internet, mas são o instrumento ideal para não a utilizar!

O telemóvel é o objecto que mais mudou os nossos hábitos sociais desde que existe. Não é o computador, nem a Internet, nem o cabo, é o telemóvel. E continua a mudar sem darmos muito por isso, porque a mudança se faz de forma desigual, quer no que muda, quer em quem muda. Dito de outra maneira, muda certas coisas nos jovens e muda outras nos adultos e os seus efeitos estão longe de ter terminado ou sequer de se saber até que ponto de transformação vão.

Os jovens têm num telemóvel muito do seu mundo: telefones dos amigos, telefone dos namorados, passwords, fotografias, mensagens, vídeos, agenda pessoal, um brinquedo que além de fotografar e filmar também serve como despertador, rádio, hi-fi de bolso ou calculadora.

Os adultos dão aos filhos e aos idosos telemóveis com números gravados nas memórias e recomendam-lhes uma utilização parcimoniosa: “em caso de emergência é só carregares aqui e nunca estarás sozinho”. Para os adultos o telemóvel é o instrumento de controlo perfeito dos filhos, dos idosos e dos pares. O telemóvel oferece a sensação de estar em simultâneo com toda a gente, mesmo que não esteja com ninguém.

Um telemóvel desligado é motivo de desconfiança. Têm de estar ligados 24/24 horas e se suceder receber uma SMS ou uma chamada inoportuna da namorada enquanto estamos com a mulher o caldo fica logo entornado, como no filme Enough, de Jennifer Lopez, http://www.youtube.com/watch?v=pNAdBSxZ9XQ . Se recusarmos dar o número de telemóvel ou somos mal educados ou não somos sociáveis porque não ficamos disponíveis.

Ligar é ter poder para decidir quando o outro deverá responder. Se não atendeu terá de arranjar uma justificação. Este é o jogo dos amantes, das relações patrão/empregado, etc. Na verdade a esmagadora maioria das chamadas de telemóvel não tem qualquer objecto ou necessidade de ser feita, ninguém as faria num mundo de telefones fixos, que não seja pelo controlo, pelas inseguranças, pela solidão. São estas as necessidades “básicas” que justificam a presença quase universal dos telemóveis desde as crianças até aos velhos, as chamadas a qualquer hora do dia, em qualquer sítio, do cinema à sala de aulas, resultado do complexo jogo de interacções sociais que ele permite, sem as quais já não sabemos viver. Vivemos num mundo muito diferente e cada vez mais diferente.

Se a dita “Sociedade da Informação” não passa parra a generalidade das pessoas da SOCCIEDADE DO TELEMÓVEL, Erik Davis falhou o alvo quando criticou os excessos da primeira.


NOTA:
As minhas referências sobre a SOCCIEDADE DO TELEMÓVEL encontram-se aqui.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...