terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Recursos digitais e tecnologias na Educação: Propaganda e realidade

Os professores são inundados com produtos tecnológicos novos que disputam o mercado também na área da Educação. A Escola não poderá abster-se dos novos produtos, mas estes terão de ser avaliados criticamente. A oferta da nova tecnologia faz-nos crer que os nossos alunos já são “aprendentes digitais”, mas um incidente no final do último período alertou-me para o papel que compete à Escola
na perspectiva de Philippe Perrenoud: compete-lhe dotar os indivíduos com capacidade para entender as regras do jogo que lhes permita traçarem o seu próprio caminho, o que apenas poderão fazer com segurança se dominarem os recursos intelectuais clássicos que “fazem a diferença”: a lógica natural, o conhecimento da escrita e da leitura. Nas mensagens multimedia a escrita e a leitura continuam a ser importantes. O inglês é hoje língua franca, e de nada valerá a tradução do Google para ler o clipe abaixo.





Depois deste brainstorming, vamos lá ao incidente. Durante o 1º período estive a leccionar o Módulo 5 de Economia a uma turma do 11º ano dos Cursos Profissionais. Usaram o meu Blogue de Economia em todas as aulas desde que passaram a ter computadores disponíveis (1). Além de lhes ter dito, obviamente, na apresentação do Módulo, está escrito desde o início que se trata do Módulo 5. No final foi necessário fazer a avaliação, e apenas recorri ao papel porque não há computadores para todos os alunos. Quando lhes distribui umas folhas com a matéria da unidade como preparação para o teste é que eles repararam tratar-se do Módulo 5, dizendo-me que eu me tinha enganado, pois o ano passado só terão dado 2 módulos!

Sinto que relativamente aos meus posts também não os têm lido. Fazem-me perguntas, do género "o que é que isto quer dizer?", e aproveitam as minhas respostas para escreverem alguma coisa. As notas que tenho escrito a sugerir correcções aos seus posts também raramente têm sido consideradas. A forma de conseguir fazer mais trabalho é chegar a uma aula com postura dirigista e ditar-lhes as respostas. Mas que interesse tem esse tipo de "trabalho"? Se depois de explicada a matéria, são incapazes de fazer a síntese, que se pode fazer?


Concluindo, certamente que os nossos alunos são grandes consumidores de entretimento digital, mas isso não vêm só facilitar a utilização de recursos digitais nas aulas, mas também criar dificuldades. A primeira dificuldade que sinto é a de os convencer de que estão numa aula, pois a tentação de abrirem a janela do browser no hi5 ou no msn é enorme, e então ficam os blogues por fazer... e eu passo-me como me passaria BG! (2)

Resultados da avaliação: Se fosse exigente em função de critérios pré-estabelecidos, reprovaria a turma inteira. Tendo em consideração que este período terá sido uma fase de adaptação a uma nova metodologia o cenário melhora.

________________
(1) O atraso de mês e meio na utilização dos computadores relativamente ao início das aulas será um dos factores a ter em consideração na desculpabilização dos alunos. Aprendi que estes ficam desorientados quando têm pela frente muitos posts cuja matéria já foi dada ;) Preferem mesmo que lhes seja dada matéria nos primeiros 45 minutos, para escreverem no blogue enquanto está fresca, nos restantes 45 ;)
(2) BG significa Before Google, Antes do Google.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...