sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Reflexão sobre portfólios nos cursos EFA


Como reflexão final da acção sobre os cursos EFA creio que não terei de me referir à multiplicidade dos aspectos discutidos, mas poderei centrar-me no que considero mais significativo: a avaliação. Nos cursos EFA os portfólios são o instrumento sobre o qual assenta toda a avaliação. Durante a acção falou-se dos portfólios como instrumentos de avaliação: o que são, o que não são, estrutura, objectivos, etc. Do meu ponto de vista ficou por dizer o mais importante: os instrumentos de avaliação decorrem da concepção do ensino. Na lógica dos cursos EFA, concebidos de forma a que o sucesso escolar seja obrigatório, a avaliação de portfólios é a opção mais simples para objectivar a validação das competências. No caso de o aluno não ter realizado determinada tarefa, o pior que lhe pode acontecer é a validação da competência ficar pendente até lhe apeteça colocar o respectivo trabalho no portfólio, e então tudo fica resolvido. Este tipo de avaliação facilitista decorre da concepção igualitária do 12º ano como uma meta que deve ser acessível a todos.

Evidentemente que nestes cursos são proibidos os testes. Porquê? Porque este instrumento de avaliação resulta de outra concepção de ensino, conflituante com a primeira. Quando se realiza um teste, considera-se “normal” que nem todos os alunos atinjam os objectivos, o que decorre de uma concepção selectiva do ensino, que preconiza a hierarquização dos recursos humanos, de modo a afectar os mais capazes às tarefas mais exigentes. Esta concepção do ensino gera o chamado “insucesso escolar”, que a concepção igualitária oculta.

Mas já que estamos a construir portfólios, seria conveniente que estes tivessem efectiva utilidade para os alunos em vez de servirem interesses meramente administrativos. Os dossiers que encontram fechados nos armários apenas satisfazem estas necessidades. Se os alunos construíssem portfólios digitais, acessíveis pela Internet, tipo http://eu_sou_gente.blogspot.com poderiam utilizá-los também na candidatura a qualquer emprego, valorizando os seus currículos. Temos sempre desculpas, dizendo que a escola não tem computadores suficientes para isso. Mas quantos de nós reconhecem que para que os alunos utilizem produtivamente as tecnologias da informação terão de ser os professores a dar o exemplo?

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...