sábado, 6 de setembro de 2008

Gramática das Novas Oportunidades


Esta gramática é um guia para descodificação do vocabulário associado aos cursos EFA do Ensino Secundário, na perspectiva de quem vai leccionar STC, Sociedade, Tecnologia e Ciência. Uma espécie de cábula de um novato que agora entra nestas lides, e que não deverá ser tomada como referência por ninguém.

O mais importante para descodificar a retórica das Novas Oportunidades é ter presente os seus princípios orientadores, a sua filosofia. Os formandos – foi suprimida a expressão alunos do seu léxico - dirigem-se à escola porque "aprender compensa"... Presume-se que as pessoas já têm competências que a escola não lhes reconheceu, e cabe aos formadores – também é interdita a expressão professores - organizarem o ensino de modo a que o adulto revele as competências que se encontram ocultas em si.

“As situações de vida do adulto constituem o ponto de partida e motor da desocultação, evidenciação e validação das competências; elas constituem igualmente motor do desenvolvimento dos percursos formativos assentes em competências chave” (RCC, p. 25). Para conseguir este desiderato os formadores/facilitadores/organizadores jamais deverão pensar sequer na realização de qualquer teste. Esta técnica está interdita porque é incompatível com a estratégia de desocultação dos conhecimentos. Em alternativa serão utilizadas “abordagens auto-biográficas a trabalhar com os candidatos, a realização de exercícios de balanço de competências, a construção de portefólios reflexivos de aprendizagens, e o recurso a outras técnicas e estratégias de aproximação aos adultos e de desocultação das competências a evidenciar” (GO, p. 13).

O objectivo do programa Novas Oportunidades é certificar até 2010 um milhão de pessoas com o 9º ano de escolaridade, e 650.000 em cursos de dupla certificação ao nível do 12º ano (Relatório da OCDE, Junho de 2008, p. 136).


A distância social medida pela diferenciação dos saberes académicos é muito maior que aquela a que se chegará se medirem as diferentes tarefas que são capazes de executar, ou competências-chave.


Domínios de Referência para a acção:
DR1 – Contexto privado
DR2 – Contexto profissional
DR3 – Contexto institucional
DR4 – Contexto macro-estrutural


Dimensões das competências:
Social (sociedade)
Tecnológica ( tecnologia)
Científica (ciência)


Núcleos Geradores: 7 áreas transversais às diversas disciplinas:
1. Equipamentos - princípios de funcionamento
2. Sistemas ambientais
3. Saúde – comportamentos e instituições
4. Relações económicas
5. Redes de informação e comunicação
6. Modelos de urbanismo e mobilidade
7. Sociedade, tecnologia e ciência – fundamentos



Critérios de Evidência: Do cruzamento das três Dimensões das Competências (Sociedade, Tecnologia e Ciência) pelos quatro Domínios de Referência (Contexto privado, Contexto profissional, Contexto institucional e Contexto macro-estututal) resultam os Temas. Para cada Tema são propostos ao formando três objectivos com dificuldade crescente: Tipo I, II e III, que se designam Elementos de Complexidade.

Elementos de Complexidade:
· Tipo I... - Identificação
· Tipo II.. - Compreensão
· Tipo III. - Intervenção


Se identificou e compreendeu e já evidenciou aquisição de competências... Pode não lhe ter apetecido intervir ;)

Sendo a avaliação qualitativa, o formando pode obter o máximo de 84 “certos” quando conquistam um DR, por verificação dos critérios de evidência. Chega-se ao 84 no conjunto dos 7 Núcleos Geradores, desdobrados em 3 dimensões e 4 DR’s. 7 x 3 x 4 = 84. Para concluir o curso precisa de validar metade destes, ou seja, 42.

Não há programas. O mais próximo desse conceito é o Referencial de Competências-Chave.   Backup

Eis os Temas de STC:


No Ensino Secundário todas as UFCD são de 50 horas. Devem ficar completas após 67 tempos de 45 minutos (33 com um professor, 34 com outro).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...